domingo, 30 de março de 2008

Poema spleen....

As minhas cinzas...

Não quero minhas cinzas atiradas ao vento,
já estou perdida demais!
Prefiro que adormeçam na urna do tempo
debruçadas sobre flores angelicais...

minhas cinzas são sopros de momentos
aprisionados nos vitrais...
e as paisagens doces de alentos
quebram- se como límpidos cristais...

os vestígios de esquecimento
armam a tormenta num tormento
de dores anormais!

Quando o Céu vai ninando o vendaval cinzento
para as minhas cinzas esfumaçarem em pensamento
e descansarem em paz...

by Laís Scodeler

2 comentários:

Popo disse...

Laís boa como sempre
hsuahushahsuha

Anônimo disse...

O soneto é show, mas a chamadinha em verde parece manchete do panorama.
~O.
kreps