domingo, 13 de abril de 2008

Sonho da casa própria globalizado

Nos últimos meses acompanhamos uma gigantesca crise na economia dos EUA. Rios de dinheiro estão sendo perdidos, empresas falindo e os americanos cada vez mais endividados. De onde vem essa crise? Em que ela afeta a nós, brasileiros?
Tudo começa no sonho da casa própria (acredite, os americanos também possuem esse sonho, não é privilégio dos ‘subdesenvolvidos’). Um dos fatores que contribui nesse mercado é a baixa taxa de juros norte-americana - de 2001 a 2004 ficou entre 1% e 1,75% - o que aumentou a confiança dos bancos a fornecer créditos e financiamentos.
Uma vez presentes no mercado, os financiamentos são assinados através de hipotecas de alto risco: SUBPRIME. Essas hipotecas SUBPRIME são de taxas pós-fixadas (variam de acordo com a economia) e foram assinadas com clientes que não tinham uma boa avaliação de crédito. Em 2006, a taxa de juros sobe ao valor de 5,25%, aumentando drasticamente os valores das hipotecas que, logicamente, não foram quitadas.
Os bancos ao concederem esses créditos montavam seus planejamentos considerando que iriam receber o dinheiro das hipotecas. O dinheiro não veio, mas a crise sim.
Com perdas astronômicas a economia dos EUA derrubou bolsas de valores internas e mundiais. Conseqüentemente empresas quebram e derrubaram o consumo interno americano.
É nesse momento que a crise pode afetar nossa economia: para bem ou para mal. Os americanos diminuem o consumo de produtos brasileiros, mas em compensação a produção deles também é desvalorizada. As exportações brasileiras para os EUA representam cerca de 18% da nossa economia exportada. É bastante. Porém, se pensarmos que os norte-americanos não suprirão os mercados internacionais, cria-se um amplo mercado consumidor para os produtos brasileiros.
A crise é considerada a pior desde a Segunda Guerra Mundial. Cabe, portanto, à economia brasileira administrar a situação para que o Brasil não afunde junto e, pelo contrário, saia ganhando com a situação. Porque se hoje sairmos com lucros, conseguiremos dar um passo à frente no nosso tão atrasado desenvolvimento.


by Lucas de Macedo e Abdo

Um comentário:

Laís* disse...

=) aaaaah tendi!
ao talento pra geografia política
se desse aula fikava rico, hehehe
até a bay entendeu agora!
=p brinkaderinha